Crítica | DOPAMINE


★★☆☆☆
2/5

A carreira de Normani sempre foi um tema na comunidade pop global. Desde o hiato do Fifth Harmony, grandes expectativas foram colocadas nela devido ao estrondoso sucesso de seu single de estreia “Motivation”, que chegou a ser comparado aos lançamentos de Beyoncé. Desde então, Normani lançou poucas músicas durante — pasmem — 6 anos de carreira solo, e em 2024, anuncia aquele que seria seu primeiro álbum, DOPAMINE, que traz um R&B com certa qualidade, mas carece de originalidade diante de tantas expectativas.

O trabalho tem produção principal de Tommy Brown, que emprega a estética do R&B com outros gêneros, como o R&B com trap em “Big Boy”, faixa chiclete que tem batida estrondosa e o R&B com elementos de house em “Take My Time”, uma das melhores e mais originais faixas da obra. Normani, como vocalista, amplia seu domínio através de uma sensualidade em sua voz, que não é exclusiva dela, mas o timbre, principalmente em “1:59”, traz uma originalidade inata. Porém, DOPAMINE não possui uma identidade artística muito bem definida, parece que houve algo que não estava preenchendo as lacunas durante a construção deste álbum. Não quer dizer que seja ruim, mas esperar 6 anos para lançar um disco solo, no mínimo, espera-se que tenha melhorado muito o conteúdo produzido ao longo desse tempo. Falta algo que “Motivation” e “Wild Side” existem: excepcionalidade.

DOPAMINE é um álbum divertido, sensual na hora certa, bem amarrado e tem uma quantidade ideal de músicas que cumpre sua proposta do início ao fim, mas não tem nenhum toque especial e isso fica evidente. Normani tem seus grandes destaques, referências a lendas do R&B como Brandy e Mariah Carey, mas sinceramente, essa peça poderia ter sido melhor para a artista que ela se propõe a ser. Infelizmente, me sinto decepcionado.

Selo: RCA
Formato: LP
Gênero: R&B / R&B Contemporâneo, Pop
Lucas Melo

Estudante de jornalismo, 18 anos. Amante da música e da cultura pop desde da infância. É crítico do Aquele Tuim, em que faço parte da curadorias de R&B e Soul.

Postagem Anterior Próxima Postagem