Crítica | TRANSES



★★★★

Uma espécie nova de dinamismo afro-brasileiro-futurista.

Os ritmos da música derivada do candomblé sempre foram muito presentes na música do Nordeste, que então foi exportada para outras regiões como o Sudeste, mas agora Àiyé ressignifica-os para uma sonoridade nova: o alt-pop.

Toda essa contraposição e massificação desses ritmos afro-brasileiros — feita com o devido cuidado para não descaracterizá-las — é maravilhosamente executada com refrões chiclete, fortes teores cibernéticos e faixas ecléticas, notavelmente distintas entre si, mas coerentes como um todo.

É um disco pretensioso na medida exatamente correta, que atinge muito bem as expectativas que ele mesmo impõe sobre si e entrega um produto agridoce e compactado com conteúdo.

Selo: Balaclava
Formato: LP
Gêneros: Pop / Alt-Pop, Glitch Pop
Sophi

Sophia, 18 anos, estudante e redatora no Aquele Tuim, em que faço parte das curadorias de Rap e Hip Hop e Experimental/Eletrônica e Funk.

Postagem Anterior Próxima Postagem