Crítica | Messy Room



★★★★

Embora não se afaste muito do que muitos artistas de k-pop fazem atualmente, Messy Room, de The Deep, se destaca no cenário por explorar a música eletrônica de forma extremamente cativante.

Em Messy Room, The Deep traz uma direção artística similar à feita por muitos artistas de k-pop atualmente. Ela apresenta na obra a mesma sonoridade que NewJeans tornou tendência na Coreia do Sul, com influências de gêneros como o clube da costa oeste estadunidense, drum n'bass e uk-garage.

O que faz com que, embora seja uma obra pouco singular no cenário do k-pop, o disco consiga se destacar — é como se ele se aventurasse na música club de forma extremamente cativante. Iniciando com o uk-garage refrescante de “Brand New House”, com sua bateria envolvente e seus sintetizadores house arrebatadores ao final, logo em seguida vem “BAPPI”, outra tentativa assertivamente lustrosa de utilizar o gênero. Melodias contagiantes, junto à excelente produção, com teclados eletrizantes de deep-house banhados por um bassline divertido junto ao 2-step, criam um resultado fenomenal. Enquanto que em “bow wow”, bumbos de jersey-club acompanhados de uma linha de baixo sedutora resultam em uma música tentadora.

Durante quase todo o disco é o eletrônico dance que predomina. Na faixa-título, entretanto, há uma fuga do som apresentado no restante da obra. Nela, é apresentado um R&B suave com influências de synth-funk, porém que, da mesma forma que as outras faixas, é de grande excelência. Na produção, o que mais a torna excepcional são os sintetizadores e baixos contagiantes tomadas pelo funky, ao passo que o vocal da artista é apaixonantemente doce.

No geral, Messy Room nos mostra uma artista independente abordando uma obra que, embora pouco diferente das tendências atuais do k-pop, traz um resultado muito mais cativante do que aquilo feito por nomes mais conhecidos, e que estão se aventurando nas mesmas sonoridades, na cena sul-coreana.

Selo: Dreamus 드림어스
Formato: EP
Gênero: Música do Leste e Sudeste Asiático / K-Pop
Davi Bittencourt

Davi Bittencourt, nascido na capital do Rio de Janeiro em 2006, estudante de direito, contribuo como redator para os sites Aquele Tuim e SoundX. No Aquele Tuim, faço parte das curadorias de Música do Leste e Sudeste Asiático, Pop e R&B.

Postagem Anterior Próxima Postagem