Crítica | 4:23




4:23 é entediante, batido, mal feito, falsamente experimental e, o pior de tudo, despropositado. Não há motivo para ouvi-lo.

O pior que o synthwave pode oferecer. Mesmo tentando se aventurar em faixas excessivamente longas com estruturas “progressivas”, Mike Dean não consegue de forma alguma cativar o ouvinte.

Mesmo em tentativas psicodélicas, ambientais e obscuramente urbanas, nada aqui cativa, é tudo cativo, tudo está preso em correntes criadas pelo próprio artista em tentativas fracassadas de inovar em um campo que é difícil de se tornar interessante.

Nenhuma ideia permanece em sua mente depois que você para de ouvir, certamente não os momentos épicos, nem os momentos traumáticos com The Weeknd. No fim das contas, 4:23 é entediante, batido, mal feito, falsamente experimental e, o pior de tudo, despropositado. Não há motivo para ouvi-lo.

Selo: Imperial, MWA Music
Formato: LP
Gêneros: Eletrônica / Synthwave, Eletrônica Progressiva, Space Ambient
Sophi

Sophia, 18 anos, estudante e redatora no Aquele Tuim, em que faço parte das curadorias de Rap e Hip Hop e Experimental/Eletrônica e Funk.

Postagem Anterior Próxima Postagem