Clássicos do Aquele Tuim | Positions (2020)



★★★★

Quase quatro anos depois de seu lançamento, não há dúvidas de que Positions é o álbum mais incompreendido de Ariana Grande.

Lançados num intervalo de apenas seis meses, os álbuns Sweetener (2018) e Thank U, Next (2019) alavancaram o nome de Ariana Grande a um patamar ainda mais alto. Se com o Dangerous Woman (2016), a norte-americana já havia se distanciado da imagem de cantora teen, nos discos posteriores alcançou um público ainda mais amplo e, também, o prestígio da crítica. Havia, então, enormes expectativas para quais seriam seus próximos passos. É sob esse prisma que há quase quatro anos nasceu Positions (2020), sexto álbum de estúdio da artista, e o mais mal-compreendido de sua discografia até então.

Positions esboça uma ruptura dos eventos traumáticos que marcaram a vida pessoal de Ariana e que foram narrados por ela em obras predecessoras. Marca, portanto, um momento no qual a cantora se encontrava feliz, realizada em sua vida amorosa e mais confiante a respeito de si mesma. Faixas como “shut up”, “just like magic” e “pov” representam, liricamente, essa sua nova fase. Era nítido que se tratava de um projeto especial para ela. Sonoramente mais maduro, o álbum é uma evolução do que já havia sido trabalhado nos dois títulos anteriores e que, dessa forma, a afastava cada vez mais do pop radiofônico de Max Martin, que caracterizava, sobretudo, discos como My Everything (2014) e Dangerous Woman (2016). Positions, a propósito, marcou o primeiro trabalho da artista em sete anos sem colaborar com o renomado produtor sueco.

Diferentemente do aclamado Thank U, Next, Positions teve uma recepção inicial morna, tanto por parte do público quanto da crítica. Comentários negativos vindos da própria base de fãs de Ariana frustraram a cantora, que descartou diversos materiais de divulgação e se tornou menos acessível nas redes sociais. Sejamos honestos: Positions é um dos melhores álbuns de Ariana Grande. Mal-compreendido, a não tão alta receptividade tida pelo disco na época em que foi lançado muito se dá por expectativas que foram criadas sobre a obra; expectativas essas que, diga-se de passagem, nunca foram alimentadas pela cantora. O projeto foi um sucessor natural resultante do amadurecimento artístico alcançado por ela a partir do Sweetener: classudo, consistente e, acima de tudo, honesto. Positions apresentou ao público uma das melhores facetas já mostradas por Ariana. Pena que, em 2020, poucos estavam prontos para admitir isso.

Selo: Republic
Formato: LP
Gênero: Pop / R&B
Lucas Souza

Jornalista, escritor, noveleiro e movido a música desde que se entende por gente. Redator na Aquele Tuim e curador de MPB, Pós-MPB, Música Brasileira e Pop.

Postagem Anterior Próxima Postagem