Crítica | Keeper Of The Shepherd



★★★½

Em Keeper Of The Shepherd, Hannah Frances expande algumas de suas concepções acerca do folk.

Na faixa que leva o nome do álbum, “Keeper Of The Shepherd”, a compreensão de uma sonoridade facilmente reconhecível e, ao mesmo tempo, inusitada ocupa seus quase sete minutos de duração. Na música, Hannah Frances vai e volta com seus vocais, acompanhada por bateria sutil e alguns acordes intermediários.

Embora melodicamente acessível, a progressão com que o som aqui é apresentado escapa a qualquer compreensão básica ou simulatória da já tradicional construção de mundos que a música folk tem como princípio. Tocando no romance, a artista se posiciona diante de suas necessidades, como sendo a figura de quem precisa vivenciar o amor. “I cannot love you without me / I cannot live without me”.

Longe de ser o único destaque da obra, esta música é a mais representativa, não por conter uma sonoridade da qual Frances consegue se esquivar de certos maneirismos, mas por ser tão sóbria quanto viciante. É um verdadeiro estímulo para seguir em frente, um retrato da precisão das interpretações da artista no seu próprio espaço.

Selo: Ruination Record Co.
Formato: LP
Gênero: Folk / Folk Progressivo, Singer-songwriter
Matheus José

Graduando em Letras, 23 anos. No Aquele Tuim, faço parte das curadorias de Jazz, Música Independente, Eletrônica e Experimental.

Postagem Anterior Próxima Postagem