Crítica | Only God Was Above Us



★★★★

Only God Was Above Us expõe por completo o lado multifuncional de Vampire Weekend.

Uma banda que iniciou-se aberta para estilos mais diferenciados, culmina em seu quinto trabalho nos trazendo um registro revigorante para sua discografia. O álbum possui como referência a cidade de Nova York no século XX e, mais que suas letras que relembram o passado e perspectivas para o futuro, possui também um instrumental extremamente conturbado (num bom sentido) e audacioso, podendo até ser comparado metaforicamente e artisticamente com a “cidade que nunca dorme”.

Entretanto, essa inspiração em uma das metrópoles mais famosas do mundo é apenas a ponta do iceberg. Por mais que Vampire Weekend já tenha apresentado sons diferenciados para o seu gênero musical, Only God Was Above Us foge um tanto do percurso do trio dentro do indie rock.

É fácil afirmar que este novo álbum é o mais polivalente que a banda já apresentou para o público, obtendo um claro flerte com o hip hop em “Mary Boone” (sampleando, inclusive, “Back To Life” do grupo Soul II Soul), e até mesmo passando por referências neoclássicas ao longo de todo o LP, fora outros subgêneros que são extraídos, deixando os quase 50 min de álbum extremamente dinâmicos.

Personalidade é a palavra que define Only God Was Above Us, afinal, ele possui muita! Vampire Weekend agrada com sua versatilidade e nos entrega um dos álbuns mais interessantes do ano até aqui.

Selo: Columbia
Formato: LP
Gênero: Rock / Indie Rock
Davi Landim

Meu nome é Davi, curso jornalismo e sou viciado em escrever sobre música. No Aquele Tuim, faço parte da curadoria de Rock.

Postagem Anterior Próxima Postagem