Crítica | Os Irmão Metralha


★★★½

Os Irmão Metralha é divertido, energético e um dos lançamentos do trap brasileiro mais interessantes até hoje.

Abbot e Raffa Moreira com certeza não eram uma dupla previsível, apesar disso, os dois possuem muito em comum, visto que os dois artistas são conhecidos por levar o trap aos limites do absurdo e do cômico. Ainda que o Raffa seja considerado hoje o pioneiro e um dos artistas mais importantes do trap nacional, Abbot ainda está no estágio que BC Raff estava em 2017: sendo ridicularizado injustamente.

Mas esse novo lançamento vem para exemplificar e fazer justiça para ambos. Com muita energia, bom humor, variedade de flows e beats, os artistas entregam um trabalho extremamente sólido e significativo para a discografia de ambos. Nesse sentido, os produtores Jay Kay e Ecologyk são um grande destaque para a Mixtape, o nível dos beats é sempre fantástico, mesmo nas músicas mais fracas do projeto.

Ademais, é óbvio que essas características positivas citadas no parágrafo anterior são resultado da habilidade dos rappers envolvidos em construir isso nas suas músicas, algo que não aparece só em Os Irmão Metralha, mas em todos os trabalhos deles. É impossível não se agitar ao escutar “Bebeto e Romário”, ou os diversos flows e adlibs em “Metralha”. Cada refrão é ridículo na medida certa, cada piada encaixa perfeitamente. E mais do que isso, ficam na mente, dando a essa mixtape um fator de replay gigantesco, nem que seja pelas suas músicas favoritas.

O maior problema é a vontade que fica de ouvir mais coisas dessa dupla, que eles explorassem mais estéticas dentro do trap, quem sabe um projeto de plugg juntos, ou talvez rage. Contudo, é pouco provável que algo assim aconteça, permanece a expectativa, que se atendida, é provável que resulte em algo nada menos que genial.

Selo: Antehype Music
Formato: Mixtape
Gênero: Hip Hop / Trap
Tiago Araujo

Graduando em História. Gosto de música, cinema, filosofia e tudo que está no meio. Sou editor da Aquele Tuim e faço parte das curadorias Experimental, Eletrônica, Funk e Jazz.

Postagem Anterior Próxima Postagem