Crítica | No Highs



★★★★

No Highs, de Tim Hecker, é uma de suas mais simbólicas — e reflexivas — obras até hoje.

Estudo da precisão de sua técnica essencial em tecer atmosferas repletas de singularidade, No Highs, de Tim Hecker, é uma de suas obras mais simbólicas — e reflexivas — até hoje.

E, para quem não vê variação na música ambiente, No Highs deixa sua mensagem através de texturas orgânicas, ritmando melodias de saxofone com takes eletrônicos que geram diferentes nuances em sua mensagem de monotonia convidativa.

Ciente disso, Tim Hecker procura evitar alguns de seus maneirismos, como o piano sombrio de seus trabalhos anteriores. No Highs tem, portanto, um ritmo mais invertido e por isso soa tão acessível quanto tudo o que o artista já fez.

Selo: Kranky
Formato: LP
Gênero: Ambiente / Experimental, Drone
Matheus José

Graduando em Letras, 23 anos. No Aquele Tuim, faço parte das curadorias de Jazz, Música Independente, Eletrônica e Experimental.

Postagem Anterior Próxima Postagem