Crítica | Zango



★★★½

Direta ao ponto, WITCH retorna inesperadamente para lembrar o mundo do seu próprio legado.

As características psicodélicas e acídicas de Zango são inconfundíveis, principalmente por usar dos efeitos como forma de afastar a arte dela mesma à moda anos 70, como se tudo estivesse distante dos microfones a todo o tempo.

E, mesmo assim, há densas e relaxadas camadas alegres criadas pelas guitarras, vocais e ritmos espiritualmente fluídos e linhas de baixo repletas de groove.

O retorno da banda depois de 40 anos os vê em ótima forma, conseguindo entregar uma versão atualizada e mentolada do estilo já esquecido do zamrock, mas ainda com muito potencial.

Selo: Partisan, Desert Daze Sound
Formato: LP
Gêneros: Rock / Zamrock
Sophi

Sophia, 18 anos, estudante e redatora no Aquele Tuim, em que faço parte das curadorias de Rap e Hip Hop e Experimental/Eletrônica e Funk.

Postagem Anterior Próxima Postagem