Crítica | The Loveliest Time



★★★★½

Carly Rae Jepsen surpreende na sequência do incrível The Loneliest Time e prova ser a filha da Kylie Minogue.

Carly Rae Jepsen surpreende na sequência do incrível The Loneliest Time e prova ser a filha da Kylie Minogue. O álbum continua a explorar com maestria as referências da música disco, resultando em um som mais moderno, viciante e perfeito para as pistas de dança.

Diferente do trabalho anterior, esse me conquistou de imediato. O projeto tem uma produção melhor, composições mais envolventes, som mais animado e batidas mais experimentais, deixando claro a evolução da cantora.

As faixas "Psychedelic Switch" e "Shy Boy" se destacam transmitindo uma vibe que lembra Daft Punk, Kylie Minogue, Jessie Ware e, até mesmo, as músicas famosas de Summer Eletrohits. Além disso, a balada Kollage tem encantado muitos ouvintes, sendo comparada às músicas da aclamadíssima Kali Uchis.

Mais uma vez a artista apresenta um trabalho muito divertido e passa longe de ser um trabalho pop genérico. Tenho certeza que entrará na minha lista de favoritos do ano. Ela é uma das minhas queridinhas da música pop atual.

Selo: Interscope, School Boy
Formato: LP
Gênero: Dance-Pop
Vit

Sou a Vit, apaixonada pelo universo musical desde que me entendo por gente, especialmente por vocais femininos. Editora e repórter no Aquele Tuim, onde faço parte das curadorias de Pop, MPB, Pós-MPB e Música Brasileira.

Postagem Anterior Próxima Postagem