Crítica | Som da Minha Casa



★★★½

Quatro anos depois de seu primeiro disco, Malía retorna com um material de inéditas que representa a síntese de tudo o que a moldou artisticamente.

Malía finalmente está de volta. Após lançar seu primeiro álbum de estúdio, Escuta (2019), e alguns singles avulsos entre 2020 e 2021, a artista retorna com o sucessor Som da Minha Casa. Com 11 faixas e parcerias com Iza Sabino, MC Lizzie e Budah, o novo material da carioca contém fragmentos de toda a sua carreira.

2019 foi o ano que colocou a jovem Isadora Machado, conhecida artisticamente como Malía, nos holofotes do pop nacional. A carioca catapultou seu nome a um outro patamar ao gravar com artistas conhecidos — de Jão à Alcione — e ainda emplacar duas de suas músicas em trilhas sonoras de novelas da Rede Globo. Somado a isso, a cantora lançou um álbum de estreia que, de fato, merece todos os elogios. Bem amarrado e repleto de versatilidade, o Escuta foi um excelente cartão-postal para apresentá-la ao público. Foi, portanto, um material mais introdutório.

Som da Minha Casa, no entanto, adentra no que moldou Malía enquanto artista. Trata-se de de um disco mais pessoal, que parece mais preocupado em retomar o lugar de onde ela veio do que de realmente chamar a atenção de um novo público.

Ao longo de 11 faixas, o registro expõe a versatilidade da cantora, passeando, principalmente, por sonoridades exploradas por ela nos singles avulsos que sucederam o Escuta. Indo do samba ao trap, a produção abarca diferentes Brasis que foram essenciais para a construção da identidade artística da carioca.

Som da Minha Casa é um retorno competente. Tamanha espera, o disco deve agradar aqueles que ansiavam por um projeto de inéditas da artista. Ao criar uma atmosfera nostálgica, que retoma não somente seus lançamentos anteriores como também algumas de suas referências, o trabalho soa como uma visita ao íntimo da artista.

Selo: Universal
Formato: LP
Gênero: Música Brasileira / Pop, R&B
Lucas Souza

Jornalista, escritor, noveleiro e movido a música desde que se entende por gente. Redator na Aquele Tuim e curador de MPB, Pós-MPB, Música Brasileira e Pop.

Postagem Anterior Próxima Postagem