Crítica | Club Shy


★★★½

A performance divertida da rapper, aliada à produção brilhante do disco, obtém excelentes resultados na criação de músicas club eletrizantes.

Club Shy está longe de ser o trabalho mais essencial da carreira de Shygirl, mas, levando em conta sua proposta, a artista consegue cumpri-la muito bem. O EP consiste apenas em um projeto despretensioso que propõe apresentar ao ouvinte músicas de clube divertidas. Isso é feito aqui com excelência.

De início, o disco soa genérico por trazer canções que raramente fogem do comum no gênero dance, mas, ainda assim, a britânica não falha em tornar esses momentos cativantes. “4eva” é um electro house melodicamente divertido, “F@k€” destaca-se por sua linha de baixo eletrizante, embora de resto pouco impressione, já “Mute” tem som euro-house sedutor.

Apesar do início cativante porém pouco surpreendente, a partir de sua segunda metade, a obra apresenta seus momentos mais excelentes. “Tell Me” traz consigo algumas das características mais divertidas do eurodance como seu ritmo energético tentador.

Já em “Mr Useless”, ao passo que a produção entrega um bassline envolvente e grooves irresistíveis de romanian popcorn nos teclados, a artista exibe as melhores melodias vocais do mini-álbum. “Thicc”, por sua vez, ganha ênfase pelo caráter eufórico fenomenal que a instrumentação proporciona, principalmente com o sintetizador que surge a partir do build-up para o drop. Se as ambições de Shygirl com esse trabalho era fazer uma coleção de faixas para animar as baladas, ela conseguiu.

Selo: Because Music
Formato: EP
Gênero: Pop / Dance Pop
Davi Bittencourt

Davi Bittencourt, nascido na capital do Rio de Janeiro em 2006, estudante de direito, contribuo como redator para os sites Aquele Tuim e SoundX. No Aquele Tuim, faço parte das curadorias de Música do Leste e Sudeste Asiático, Pop e R&B.

Postagem Anterior Próxima Postagem