Crítica | EASY



★★★

LE SSERAFIM retorna com EASY, e mostra a facilidade que o grupo tem de seguir uma trend qualquer nos lançamentos.

O LE SSERAFIM lança um projeto após 10 meses do último lançamento de um álbum completo – e que nem deveria ser considerado como, já que tem apenas 7 faixas exclusivas –, e deixa tudo completamente morno.

“Good Bones” é aquela introdução falada em diversas línguas que já virou característica do quinteto. E então, só restam quatro músicas – o menor número de canções por lançamento até agora –. “EASY”, então, é mais uma das tentativas falhas do LE SSERAFIM de trazer uma faixa que encaixe nas trends globais voltadas para o R&B. A canção é desinteressante, fraca e superficial, seu ritmo cheio de monotonia não parece contagiar e instigar a atenção do ouvinte.

Em “Swan Song”, as coisas parecem engatar no seguimento do EP. A canção parece utilizar de uma interpolação da canção “Kill Bill” da SZA em seu instrumental, mas nem isso a torna agradável. No máximo, ela é curiosa. Felizmente, o rumo do projeto continua crescendo com “Smart”. Em um R&B dançante que contém poucos elementos de um ritmo Afrobeat, essa faixa acaba se destacando no meio de todo o ritmo mais lento e suave das demais canções.

E o projeto finaliza em “We got so much”, que é, sem dúvida, a canção mais instigante do EP. Ela consegue usar bem o mid-tempo que foi apresentado e explora a potência do grupo mesmo em faixas suaves e não tão animadas.

Infelizmente, esse EP parece um grande acervo de tendências americanas dos últimos anos. Utilizando batidas de Trap-Pop, R&B que parecem com a abordagem de outros cantores e até elementos sutis e escondidos de um Indie Rock mostra que o “EASY” foi feito para tentar emplacar mais um viral nas redes sociais, assim como aconteceu em “Sour Grapes” e “Perfect Night”.

O projeto só concretiza o pensamento de que o LE SSERAFIM sempre segue os ritmos mais populares de algum polo musical determinado. Mas isso não é um problema, contanto que seja feito de uma forma que realmente possa ser proveitosa e que não fique tão explícito as intenções de apenas tentar um viral.

Selo: HYBE/SOURCE
Formato: EP
Gênero: Música do Leste e Sudeste Asiático / K-Pop, R&B
João Vitor

20 anos, nascido no interior da Bahia e graduando em Ciências da Computação. Faz parte das curadorias de Música do Leste e Sudeste Asiático no site Aquele Tuim.

Postagem Anterior Próxima Postagem