Crítica | Wall Of Eyes


★★★★

O segundo trabalho do trio testa a psicodelia com alguns resquícios de Radiohead, mas, ainda assim, soa único e criativo.

The Smile explora cenários e sons diferentes em Wall Of Eyes, nos trazendo letras bastante metafóricas sobre diversos aspectos das nossas vidas, principalmente por se tratar de um álbum escrito durante a pandemia de COVID-19.

Thom Yorke impressiona com sua liberdade criativa junto de Jonny Greenwood (também companheiro de Radiohead) e a bateria bastante objetiva de Tom Skinner, já que, apesar de se escorar em alguns recursos de sua “banda principal” — principalmente de álbuns como A Moon Shaped Pool e In Rainbows — ainda consegue realizar um som bastante original.

À medida em que o disco passa, algo bastante impressionante e perceptível, é em como as faixas se completam, como se o LP fosse um quebra-cabeça e as canções, suas peças. Exemplo disso é o single “Friend Of a Friend”, que, introduzido ao álbum, de algum modo fica ainda mais brilhante e gostoso de se ouvir, como se dependesse das outras canções para atingir seu potencial completo, tanto em significado quanto em melodia.

“Teleharmonic, You Know Me!” e “I Quit” prezam pela atmosfera e transcendem o ouvinte de uma maneira espetacular, além de possuírem as letras mais introspectivas do projeto. Yorke fala sobre desistência de objetivos e falácias sobre personalidade e caráter acompanhados de instrumentais épicos e tranquilizantes, de certo modo.

Psicodelia e criação de cenários são notados pelos solos espirais em “Read The Room” e os estrondosos clímax de “Bending Hectic” e ‘Friend Of a Friend’, sendo a segunda música a mais longa do grupo, possuindo mais de 8 minutos de duração e nos descreve vistas naturais montanhosas enquanto o narrador, acompanhado, dirige admirando a paisagem. Wall Of Eyes se mostra coeso e desenha uma trilha bastante positiva onde The Smile pretende seguir pelos próximos anos.

Selo: XL
Formato: LP
Gênero: Art Rock
Davi Landim

Meu nome é Davi, curso jornalismo e sou viciado em escrever sobre música. No Aquele Tuim, faço parte da curadoria de Rock.

Postagem Anterior Próxima Postagem