Crítica | If I don’t make it, I love u


★★★★½

Experimentar If I don’t make it, I love u é como testemunhar uma composição musical surgir bem na sua frente.

O álbum já começa causando um impacto logo na primeira música, "M M M”, cuja audição pode ser um pouco angustiante, para ser sincero. Nela, o ouvinte é capaz de se sentir cansado, já que a faixa é repetitiva e arrastada. Mas é apenas a primeira de todas, então é importante continuar ouvindo. Quando avançamos para a próxima, somos surpreendidos por uma melodia incrivelmente cativante, que dá a sensação de que a monotonia da primeira música pode ter sido intencional, para nos preparar para um show de talento extraordinário na sequência.

Um dos aspectos mais notáveis de If I don’t make it, I love u são as composições apresentadas. Quase todas as faixas deste álbum exibem um nível de detalhe tão excepcional em suas letras que é impossível não querer ouvi-las repetidamente. Os vocais de Jess Hickie-Kallenbach são verdadeiramente extraordinários em sua expressividade estética. Still House Plants tem a capacidade de misturar rock e jazz, por mais sutil que seja.

O destaque das performances de Hickie-Kallenbach é a forma como homenageiam diversas influências sonoras sem perder sua singularidade. “Sticky” se sobressai nesse quesito, sendo a faixa que melhor representa o interesse da banda em reinterpretar abordagens de amostras na cena garage do Reino Unido, evidenciado pelo inegável e intenso impacto dos repetidos refrões de uma só palavra.

“More More Faster”, música que encerra a obra, é incrível. Demonstra o sentimentalismo e a grandiosidade da composição profunda que os três artistas quiseram transmitir ao longo de todo o álbum. Nos momentos mais importantes, é uma peça perfeitamente equilibrada entre emotividade, vivacidade, singularidade e juventude. No final das contas, suas 11 faixas formam o melhor álbum de rock do ano.

Selo: Bison Records
Formato: LP
Gênero: Experimental / Rock, Post-Rock, Math Rock
Alícia Cavalcante

Graduanda em Química. Crítica no Aquele Tuim para as curadorias de Rock e Rap/Hip-Hop.

Postagem Anterior Próxima Postagem