Crítica | Whirlwind Of Malevolence



★★★½

Se SONIKKU continuar a se inspirar nos nomes da PC Music e refinar seu som para construir uma identidade mais forte, ele terá uma carreira promissora pela frente.

Em Joyful Death, estreia do DJ SONIKKU, ele fazia, de forma muito cativante, uma exploração de ritmos que marcaram as pistas de dança dos anos 80. Após se aventurar no electro-disco, agora decide voltar seu olhar aos ritmos de música dance eletrônica mais modernos. Whirlwind Of Malevolence mescla canções house para os clubes, com referências ao bubblegum bass que remetem a diversos de seus colegas de trabalho, principalmente SOPHIE.

O problema é que, enquanto com sua estreia ele construía sua identidade artística fenomenal como um produtor habilidoso que conseguia fazer produções surpreendentemente divertidas, utilizando sintetizadores que faziam grandes referências, aqui, ele larga tudo isso para fazer músicas dançantes descontraídas, mas que carecem de personalidade.

Os momentos house no geral são músicas que passam despercebidas, genéricas, e que em qualquer balada que for você escutará umas 10 semelhantes. Quando o DJ mistura o dance-pop para os clubes com texturas plásticas que remetem ao trabalho dos artistas da PC Music, entretanto, ele tem maior êxito, criando produções sensacionais. Além disso, os convidados para atuar nas faixas são muito competentes na criação de performances estimulantes, e as melodias são, na maioria das vezes, muito sedutoras.

Os maiores destaques são “Wonky”, “Nail Shop” e “Runaway”. Na produção da primeira, o electro house com texturas plásticas é incrível, já Rakky Ripper, com sua performance lustrosa, apresenta energia fascinante para a canção. Em “Nail Shop” os snares e os sintetizadores estilo SOPHIE são usados por SONIKKU para elaborar algo muito envolvente. A última se destaca pelo seu ritmo pulsante irresistivelmente provocante.

Embora o bubblegum bass torne a experiência de escutar o álbum mais divertida, também sofre um pouco com problemas de personalidade. SONIKKU soa como uma mistura de tudo o que os principais artistas da PC Music já haviam feito no passado, mas sem nenhuma característica marcante que o faça se destacar mais que esses. Apesar disso, se ele continuar a se inspirar em nomes do selo, porém, refinar seu som para construir uma identidade mais forte, SONIKKU terá uma carreira promissora pela frente.

Selo: Bella Union
Formato: LP
Gênero: Pop / Dance-Pop, Electropop, EDM
Davi Bittencourt

Davi Bittencourt, nascido na capital do Rio de Janeiro em 2006, estudante de direito, contribuo como redator para os sites Aquele Tuim e SoundX. No Aquele Tuim, faço parte das curadorias de Música do Leste e Sudeste Asiático, Pop e R&B.

Postagem Anterior Próxima Postagem