Crítica | Good Lies



★★★½

Good Lies é um desses vários atos a percorrer a música eletrônica quase como uma necessidade exploratória.

A grande flexibilidade da música eletrônica está em suas inúmeras vertentes. Na vanguarda européia, são tantas que, a cada nova tentativa de abraçá-las, vários artistas acabam atingindo um nível inato de superficialidade.

Good Lies, estreia da dupla Overmono, formada pelos irmãos Russell, é um desses vários atos a percorrer a música eletrônica quase como uma necessidade exploratória. A questão é que, apesar de bem intencionados, nada do que fazem aqui ganha status de hodierno.

Eles são bons, de fato. Good Lines consegue sintetizar bem a mistura de ganchos que dão o tom cordial que o future garage tem ao lado de UK Bass e 2-Step. Os tiros de sintetizador ferozes e a estética inconfundível de repetições e distorções preenchem bons espaços, como em "So U Kno".

A sensação de originalidade, baseada na perfuração do terreno com uma estaca encharcada, é dada pela passagem de técnicas que, aliás, são bem utilizadas ao longo do registro – uma leitura levemente acessível de um pop dançante.

Selo: XL
Formato: LP
Gênero: Eletrônica / Future Garage, UK Bass
Matheus José

Graduando em Letras, 23 anos. No Aquele Tuim, faço parte das curadorias de Jazz, Música Independente, Eletrônica e Experimental.

Postagem Anterior Próxima Postagem