Crítica | Relíquias da Menorzinha


★★★★☆
4/5

MC Menorzinha é uma relíquia do funk paulista, um ícone que revolucionou o gênero. Começando em 2007, numa época com poucos recursos, ela e seu irmão, MC Menor, produziam suas músicas de maneira improvisada. Utilizando um microfone rudimentar preso na parede e um computador com programas baixados da internet, eles criaram hits que rapidamente se espalharam pelo Ares, um dos poucos meios disponíveis para distribuir música na época. Mesmo sem a infraestrutura de plataformas como Spotify, MC Menorzinha conseguiu estourar e conquistar um público fiel.

O impacto dela no funk paulista foi imediato e profundo. Em uma cena dominada por homens, sua chegada foi surpreendente e transformadora. Hits como "Abecedário da Mc Menorzinha", "Bonde da Ecko Red" e "As Meninas Que os Meninos Gostam" não só se tornaram populares, mas também mudaram a dinâmica do gênero. Quem não tinha o sonho de portar algo da Ecko Red naquela época? Sua música "As Meninas Que os Meninos Gostam" destacou a confiança e independência das mulheres, solidificando seu estilo assertivo e influente. Recentemente, essa música ganhou um novo destaque na introdução de "TANG", das gêmeas Tasha & Tracie, Kyan e Mu540, mostrando a relevância contínua de sua obra. A presença de Menorzinha se fez sentir em todos os cantos após ter decidido parar sua carreira em 2012, e seu retorno triunfal no The Town ao lado de Tasha & Tracie foi uma celebração de sua contribuição duradoura para o funk.

No início do ano, MC Menorzinha lançou o álbum "Relíquias da Menorzinha", uma compilação de seus maiores sucessos que celebra a ostentação e o empoderamento feminino no funk. Este álbum não apenas reforça sua identidade regional e cultural no gênero, mas também reafirma sua posição de destaque nos bailes e na cena. Músicas como "Pratique o Desapego" exemplificam o estilo confrontador e direto. Inspirada pelos versos de "A Pessoa Certa" do Grupo Percepção, a música inicia com o trecho "É você eu sei, a pessoa certa, e não mais ninguém", para em seguida bater de frente com signos masculinos e gerar, sobretudo, uma provação nata. Menorzinha fala sobre a independência e desapego emocional das mulheres, enfatizando a ideia de aproveitar relacionamentos sem compromisso e sem a necessidade de assumir algo sério — essa música celebra a liberdade e o empoderamento feminino, destacando a figura da mulher que não depende de ninguém e que vive de forma leve e descompromissada. Com uma originalidade inconfundível, o LP veio para reafirmar que MC Menorzinha continua a ser uma das figuras centrais no funk paulista, provando que sua influência e legado permanecem inabaláveis.

Selo: EP MIX
Formato: LP
Gênero: Funk / Funk Paulista
Brinatti

Graduando em Ciências Sociais, com ênfase em Antropologia e Sociologia, 27 anos. É editor e repórter do Aquele Tuim, em que faz parte das curadorias de MPB, Pós-MPB, Música Brasileira e Pop.

Postagem Anterior Próxima Postagem